Menu

Agenda Infantil: Programação para crianças em Brasília

Eu, minha filha e minhas namoradas

Eu, minha filha e minhas namoradas

Reflexões metamórficas meteóricas de uma provável série: tema inesgotável

Escrever uma coluna sobre relação pais e filhos é algo muito difícil. Não falta assunto! Mas a exposição que nos submetemos ao compartilhar nossa própria experiência é algo delicado. E mais delicado ainda é a exposição que sujeitamos nossos pequenos quando tentamos uma relação amorosa séria. Esse é um assunto que tem passado bastante na minha cabeça desde que me divorciei há dois anos.

Quando você é pai divorciado tem que deixar claro para seu filho(a) que estará sempre ali ao lado dele(a). Mas também que o resto não é feliz pra sempre. Pode até ser que seja um feliz pra sempre ou um feliz pra quase sempre. Mas é bem provável que depois de um divórcio você pode acabar se “divorciando” várias vezes e isso é muito delicado para o coraçãozinho dos nossos pequenos.

criancas brigando2Qual a medida certa dessa exposição? Quando devemos inserir nossos filhos em um novo contexto? Quando apresentar aquela “tia” #diferentona? E quando colocar aquele “amiguinho” para brincar com seus filhos? Ou mesmo aquela menina amorzinha ou diabinha que jura de pé junto ser a mais nova irmãzinha do seu querido filho(a)? Será que devemos incentivar esse estreitamento? Até que ponto? Qual o momento certo? O que devo fazer?

Haja coração! Hajam corações! Tais perguntas não poderiam nunca serem respondidas com fórmulas prontas. Eis que não existe manual. Ok... Até existem alguns pretensiosos best sellers, querendo lhe oferecer uma solução tabajara, rápida e fácil. Pois lhe digo: consulte esses manuais tabajaras, pois podem lhe ser úteis sim! Mas não se esgote e nem pense que são regras que você poderá aplicar: cada um que encontre o seu certo e o seu errado. Encontre a sua própria medida e a que melhor resguarda seus maiores tesouros.

Dito isso você poder terminar essa leitura e ter a clareza de que não posso lhe ajudar. Correto? Errado de novo! Saiba que estou lhe ajudando neste exato momento! Como? Compartilhando um problema que ocorre com todo papai e mamãe que divorciou. E aí está a chave que você tem que girar! Se der outra #zika e seu filho(a) estiver aflito, você deve ouvi-lo e dizer que realmente é tudo muito chato mesmo! E ensiná-lo que a dor faz parte da vida.

Última modificação emQuarta, 22 Março 2017 10:56
voltar ao topo