Menu

Agenda Infantil: Programação para crianças em Brasília

Dicas de como falar sobre a morte com as crianças

Dicas de como falar sobre a morte com as crianças

Há poucos dias morreu o avô da minha afilhada, que tem seis anos. Os pais dela disseram-lhe que o avô se transformado em uma estrelinha no céu, e a menina, claro, achou muito estranho e começou a crivá-los de perguntas, que eles não souberam como responder.

— Todas aquelas estrelas lá no céu são pessoas que morreram?
— Como elas não caem de lá?
— Por que elas tiveram que virar estrela?
— Os bichos também viram estrelas quando morrem?

Eles me pediram ajuda para lidar com o problema, e eu, claro, fui pesquisar algumas dicas, as quais compartilho aqui agora, já que muitas pessoas, infelizmente, passam pela mesma situação com seus filhos. O falecimento de alguém próximo é algo difícil de lidar em qualquer idade. Quando se trata de dar a notícia a uma criança, o luto se torna um assunto ainda mais delicado. Muitos pais têm dúvidas de qual o momento certo para contar e a melhor maneira de se fazer isso.

A psicóloga Aline Melo explica que começamos a ter um conhecimento maior do ciclo da vida com aproximadamente 4 ou 5 anos, porém não existe uma idade específica para falar sobre morte com uma criança. Elas conseguem sentir que as pessoas ao seu redor estão mais tristes e que algo ruim está ocorrendo. Por isso, o ideal é ser transparente e responder aos questionamentos sem utilizar metáforas, evitando dizer que a pessoa foi viajar ou virou estrela.

Isso confunde a criança e traz a expectativa de que a pessoa vai retornar. A psicóloga aconselha que não se crie um tabu sobre a morte, esclarecendo as principais angústias conforme a maturidade emocional de cada um. Uma sugestão de Aline para trabalhar com a criança o desenvolvimento da vida, seu começo, meio e fim, é utilizar de exemplos próximos, como cultivar uma plantinha e acompanhar a evolução, demonstrando todas as fases até a morte.

"Os pais costumam evitar esse assunto com os filhos no intuito de preservá-los. Contudo, é importante para o amadurecimento deles trabalhar as frustrações e o curso natural da vida, aprendendo a lidar com os sentimentos e externar as aflições", comenta. Segundo ela, o mesmo exemplo pode ser aplicado à perda de animais de estimação e outras situações cotidianas. 

Para quem tem muita dificuldade de tocar neste assunto com os pequenos, uma boa sugestão é ler para (ou com) eles um livrinho de história que traga a temática do luto. Temos excelentes exemplos. Um deles é A Árvore Das Lembranças, de Britta Teckentrup.

Contando a historia de uma raposa, o texto celebra a vida e nos ajuda a resgatar as doces lembranças daqueles que amamos. Outra bela opção é Para Onde Vamos Quando Desaparecemos?, de Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso. Trata de alguns dos mistérios da vida, de uma forma poética e delicada. E, por último,  A Vida Sem Léo, de Andrea Maturana, que traz a história de dois amigos, Bia e Léo, e que fala sobre como aprender a conviver com a saudade de alguém que partiu.

Fonte: http://dc.clicrbs.com.br/sc/colunistas/viviane-bevilacqua/noticia/2017/03/dicas-de-como-falar-sobre-a-morte-com-as-criancas-9757867.html
Foto: Reprodução / Pixabay

voltar ao topo