Menu

Agenda Infantil: Programação para crianças em Brasília

Caçadores e fugitivos

O grupo escolhe quem será o pegador a partir das cores das roupas dos participantes. Por exemplo: quem estiver de branco e azul é pegador, quem estiver de verde e preto é fugitivo.

Definidas as equipes de caçadores e fugitivos, o grupo pode combinar regras de salvamento de quem for pego. Exemplo: quem for pego vira estátua e só pode ser salvo por quem tocá-lo com o pé.

O grupo também define o pique (áreas de refúgio onde o fugitivo não pode ser pego). Por exemplo: quem estiver de quatro não pode ser pego.


Fonte: http://mapadobrincar.folha.com.br/brincadeiras/pegar/448-cacadores-e-fugitivos

Leia mais ...

Cabra-cegueta

O grupo escolhe um participante para ter os olhos vendados. Ele será a cabra-cegueta.

Uma pessoa gira a cabra-cegueta várias vezes, enquanto os outros participantes correm e escolhem um lugar para ficar.

A cabra-cegueta procura os outros participantes com as mãos.

A pessoa que girou a cabra-cegueta fica por perto para orientá-la a não ir para lugares perigosos e até para ajudá-la a encontrar os outros participantes.

Essa pessoa diz: "Tá quente"; "Tá frio"; "Para a direita"; "Para a esquerda".

A brincadeira termina quando todos forem pegos.

Quem foi o primeiro a ser pego será a próximo cabra-cegueta.

Leia mais ...

“Pais-helicóptero” estão criando filhos simplesmente “inempregáveis”

Pais-helicóptero pensam que estão fazendo o melhor, mas, na verdade, estão prejudicando as chances de sucesso dos filhos. Leia isso antes de que seja tarde demais.

‘Pais-helicóptero’ são os pais que estão sempre girando em torno dos filhos. Praticamente os embrulham em plástico-bolha, criando uma corte de jovens adultos que têm dificuldade de ter um desempenho satisfatório no trabalho e em suas vidas.

‘Pais-helicóptero’ pensam que estão fazendo o melhor, mas, na verdade, estão prejudicando as chances de sucesso dos filhos. Em particular, estão arruinando as chances de que os filhos consigam um emprego e consigam mantê-lo.

‘Pais-helicóptero’ não querem que seus filhos se machuquem. Querem suavizar cada golpe e amortecer cada queda. O problema é que essas crianças superprotegidas nunca aprendem como lidar com a perda, com o fracasso ou com o desapontamento — aspectos inevitáveis da vida de todos.

A superproteção torna quase impossível que esses jovens desenvolvam a tolerância em relação à frustração. Sem esse importante atributo psicológico, os jovens entram na força de trabalho em grande desvantagem.

‘Pais-helicóptero’ fazem coisas demais pelos filhos, portanto, essas crianças crescem sem uma ética de trabalho saudável e sem habilidades básicas. Sem essa ética de trabalho e habilidades necessárias, o jovem não será capaz de realizar muitas das tarefas exigidas pelo local de trabalho.

‘Pais-helicóptero’ superprotegem seus filhos e os privam de qualquer consequência significativa por suas ações. Com isso, eles perdem a oportunidade de aprender lições de vida valiosas a partir dos erros que cometem; as lições de vida que iriam contribuir para sua inteligência emocional.

‘Pais-helicóptero’ protegem suas crianças de qualquer conflito que possam ter com seus colegas. Quando essas crianças crescem, não sabem como resolver dificuldades entre eles e um colega ou supervisor.

As pessoas resolvem problemas tentando coisas, cometendo erros, aprendendo e tentando novamente. Esse processo cria confiança, competência e autoestima. ‘Pais-helicóptero’ impedem que seus filhos desenvolvam todos esses importantes atributos que são necessários para uma carreira de sucesso.

Pais-helicóptero

‘Pais-helicóptero’ pensam que seus filhos devem vencer qualquer coisa. Todo mundo que participe de um evento esportivo deve ganhar um troféu. Todos devem conseguir uma nota de aprovação, mesmo que sua tarefa esteja atrasada ou malfeita.

Em um local de trabalho funcional, há apenas um vencedor de uma competição, e apenas um trabalho de alta qualidade é recompensado. Se as crianças crescem pensando que independentemente do que façam irão vencer, não perceberão que, na verdade, têm de trabalhar duro para conseguir ter sucesso.

Esses jovens mimados ficarão arrasados quando continuarem perdendo competições, se saindo mal em entrevistas ou sendo demitidos de seus empregos. Não entenderão quanto esforço é realmente necessário para ser um vencedor no mundo do trabalho.

Esses jovens carecem de competência e ação por nunca terem tido de resolver um problema ou completar um projeto sozinhos. Esperam que outros façam essas coisas para eles, assim como seus pais sempre fizeram. Em essência, não podem pensar ou agir por si mesmos.

A criação-helicóptero inculca uma série de atitudes negativas nas crianças. Elas crescem com grandes expectativas de sucesso, independentemente de quanto tempo ou energia investem, e sentem que merecem tratamento preferencial — sendo que nenhum dos dois comportamentos cai bem com seus colegas ou chefes.

Em uma entrevista de emprego, os futuros empregadores podem ser dissuadidos pela atitude excessivamente egocêntrica de um jovem ou alarmados por sua falta de habilidades básicas.

A aura de ignorância e incompetência de um jovem, combinada com expectativas de recompensas imediatas e substanciais sem relação com o desempenho, pode ser o beijo da morte em qualquer entrevista para um bom emprego.

Quando os pais decidem acompanhar seu filho de 20 e poucos anos em uma entrevista de emprego, isso mina qualquer confiança que um empregador possa ter nesse funcionário em potencial. “Por que – os empregadores podem se perguntar – alguém procurando emprego precisaria trazer a mamãe ou o papai na entrevista, a menos que esse jovem seja mais uma criança do que um adulto?”

Mesmo de pequenas maneiras, os ‘pais-helicóptero’ paralisam seus filhos. A criança adulta de ‘pais-helicóptero’ vai fazer sua pausa para o café e então sair da copa sem ter limpado sua sujeira ou lavado sua xícara. Podemos imaginar como isso causará ressentimento entre seus colegas.

Esses jovens esperam que “alguém” limpe sua coisas, da mesma forma que sua sujeira foi sempre limpada quando eram crianças. Não percebem que já não há ninguém os seguindo, limpando sua sujeira, seja física, interpessoal ou profissional.

Barb Nefer, em um artigo publicado no site WebPsychology, diz que a geração do “milênio está sendo fortemente atingida pela depressão no trabalho. Um em cada cinco trabalhadores [20%] já sofreu de depressão no trabalho, comparado a 16% da Geração X [nascidos entre 1960 e final dos anos 70] e dos ‘baby boomers’ [nascidos entre 1943 e 1960]”.

Nefer destaca que, de acordo com um “‘white paper’ da Bensinger, DuPont & Associates, os ‘millennials’ têm desempenho inferior no trabalho e índices mais altos de absenteísmo, bem como mais conflitos e incidentes de advertência por escrito”, fatores que “podem afetar o desempenho no trabalho”.

De acordo com um artigo de Brooke Donatone publicado pelo Washington Post, uma nota de 2013 na revista “Journal of Child and Family Studies revelou que universitários que tiveram criação-helicóptero relataram níveis mais altos de depressão”.

O artigo do Washington Post também destaca que uma “criação intrusiva interfere no desenvolvimento da autonomia e da competência. Por isso, a criação-helicóptero leva a uma maior dependência e menor habilidade de completar tarefas sem supervisão dos pais”.

Às vezes, a melhor forma de ‘estar presente’ na vida dos filhos é não estar. Os artigos acima deixam claro que a ‘criação-helicóptero’ está contribuindo para um crescente índice de depressão entre jovens bem como para uma incapacidade de ter um desempenho otimizado no local de trabalho.

Se você é um pai ou uma mãe que quer que seus filhos sejam bem-sucedidos na carreira quando adultos, precisa estar ciente de quaisquer tendências relacionadas à criação-helicóptero em você ou em seu parceiro.

Amar seus filhos significa guiá-los, protegê-los e apoiá-los. Não significa sufocá-los, superprotegê-los ou fazer tanto por eles que nunca aprendam a pensar por si mesmos, a lidar com desafios ou com o desapontamento e fracasso.

A coisa mais amorosa que você pode fazer como pai ou mãe é dar um passo atrás e deixar seu filho cair, se preocupar e resolver as coisas sozinho. Às vezes, a melhor forma de “estar presente” na vida de seu filho é não estar. É assim que você os capacita a desenvolver confiança, competência, autoestima e inteligência emocional.

Hoje os jovens precisam de pais que os ajudem a se tornar adultos úteis. Isso significa girar menos em torno deles e embrulhá-los menos em plástico-bolha e empoderá-los mais para que façam coisas por si mesmos, resolvam coisas por si mesmos e aprendam a lidar com as dificuldades, tudo por si mesmos.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost Canada e traduzido do inglês.

Fonte: http://www.pensarcontemporaneo.com/2024-2/

 

Leia mais ...

Desfralde: 11 dicas para tirar a fralda da criança sem tanta complicação

O período de desfralde do bebê varia muito de criança para criança. Pode acontecer logo cedo ou mais tarde, pode ser tranquilo ou complicado. Para ajudar pais e seus filhos a passar por esse momento de forma tranquila e sem traumas, algumas mães compartilham suas dicas de ouro:

Observe o tempo da criança

“Comecei o desfralde quando minha filha tinha aproximadamente 2 anos. Fui observando que ela fazia xixi ou cocô na fralda e ficava incomodada. Algumas vezes tirava a fralda para fazer e isso me fez perceber que ela já estava preparada”, conta Bárbara Calmeto, mãe de Beatriz, 6, e Lucas, 11 meses, autora do blog Mãespecialista.

Explique a situação

“As crianças são muito espertas e entendem tudo que é explicado. Minha dica é não ficar falando demais e ser direto e claro nas explicações. Disse que ela já estava uma mocinha e que ia usar somente calcinhas. Comprei várias peças coloridas e ela ficou superanimada. Tem vários livros infantis que falam sobre essa fase na linguagem da criança, vale a pena também”, diz Bárbara.

Não repreenda

“A criança vai fazer algumas vezes na roupa e isso é esperado. Quando isso acontecia, eu trocava e pronto. Não repreendia nem nada. Tem que ter paciência. Fui persistente e deixava sem fralda. Quando ia ao vaso, eu parabenizava, mas sem muita festa. Sempre tratei como um assunto natural”, explica Cali Galiasso, mãe de Hana, 6.

Avise na escola

“Se a criança estiver na escola e esta for parceira, uma boa conversa pode ser muito benéfica nessa fase. Lá eles têm técnicas que vão colaborar no processo. Mas se a escola não for muito parceira, pelo trabalho de vazar na roupa e a limpeza, aí prejudica. Então, vale a pena conversar com a coordenação pedagógica”, indica Bárbara.

Envolva todos ao redor

“Acho importante ser algo em conjunto com a escola e com a família, para que a rotina da criança não seja alterada e as práticas sejam as mesmas em todos os ambientes que ela circula. Além disso, ter o comportamento dos outros amigos da escola como espelho ajuda muito, mas é indispensável o acompanhamento em casa, isso dá à criança mais segurança também”, aponta Danielle Joia, mãe de João Gabriel, 5 anos, e Rodrigo, 2 anos e 11 meses.

Aposte na regularidade

“Eu colocava minha filha no vaso a cada duas horas aproximadamente, mas, às vezes, o xixi escapava. O cocô, que gera mais pânico, só escapou uma vez. Nunca usei penico, já fui direto para o vaso sanitário, pois as crianças repetem nossas ações e o fato de ela me ver usando o vaso sanitário ajudou. O desfralde da minha filha foi muito fácil”, afirma Cali. Desfralde: 11 dicas para tirar a fralda da criança sem tanta complicação

Deixe o momento divertido

“É bom tornar a ida ao banheiro um momento divertido e leve. Eu fiz um quadro de incentivo e, a cada vez que ela acertava fazer no vaso, ganhava um adesivo que ela ama. Ou seja, toda hora ela queria ir até lá”, diz Bárbara.

Respeite a individualidade

“Sou divorciada desde que meu filho tem 1 ano e 3 meses, foi uma separação conturbada e ele adoeceu muito, teve dificuldades de fala... A psicóloga me explicou que, por tudo isso, teria de fazer as coisas aos poucos, com tempo. Comecei o desfralde diurno aos 3 anos e o noturno aos 4. Tem pais que acham mais cedo tranquilo, mas eu preferi não tentar a sorte”, conta Franciene Verciano, mãe de Tiago, 4.

Sem comparações 

“Não existe tempo definido para o desfralde. Existem casos e casos, tudo vai depender depende da dinâmica de cada casa e principalmente do comportamento de cada criança! Levei seis meses com meu filho mais velho e estou há 10 meses com o caçula, mas ainda sem sucesso. O xixi foi mais rápido, mas ainda estamos sofrendo com o cocô até hoje, e ele está às vésperas de completar 3 anos! Só começarei o desfralde noturno após a conclusão do diurno”, diz Danielle.

Não volte atrás

“Mesmo depois do desfralde noturno meu filho continuou fazendo xixi na cama. Minha mãe quis que eu voltasse atrás, mas falei que não. E assim fui fazendo. Levanto sempre por volta de 3 horas da madrugada para levá-lo ao banheiro até que ele consiga controlar”, conta Franciene. Bárbara concorda. “Se tirou da fralda, não volte mais. Esse processo de ir e voltar deixa a criança confusa”.

Tenha paciência

“É uma fase de controle e isso é difícil e demorado. É bom anotar quantas vezes está vazando e quantas estão acertando no vaso para observar se as escapadas estão decrescendo. E se a criança não estiver progredindo no desfralde, vale a pena reavaliar se ela está sendo incentivada pelos cuidadores”, finaliza Bárbara.

Fonte: https://estilo.uol.com.br/gravidez-e-filhos/noticias/redacao/2017/07/27/11-dicas-para-o-desfralde-da-crianca.htm
Mariana Bueno - Colaboração para o UOL - 27/07/2017

Leia mais ...

Como reorganizar a rotina para a volta às aulas

 

Acordar e dormir cedo, realizar as refeições no horário correto e reservar um tempo para as tarefas de casa… É, as férias acabaram e chegou a hora de se organizar para a volta às aulas e o início do segundo semestre letivo. E não são só as crianças que precisam readaptar o relógio biológico. Toda a família precisa reorganizar a rotina.

O pediatra Marcelo Reibscheid, do Hospital e Maternidade São Luiz, explica que o planejamento deve começar com a organização dos horários dos pais. "Decidir quem vai levar e buscar os filhos, quem ajuda no dever em cada dia da semana e até mesmo definir um cardápio alimentar semanal ajudam a família a recuperar o ritmo com a nova rotina das crianças", aconselha.

Ainda de acordo com o pediatra, não é recomendado deixar para se organizar em cima da hora. O ideal é que cerca de 10 dias antes do retorno às aulas os pais comecem a colocar os filhos para dormir e acordar no horário ideal. Essa prática ajuda na adaptação e evita birras e manhas quando as aulas recomeçarem. "Dormir bem e se acostumar com os horários ajuda a evitar o mau humor da criança e até a recusa em ir à escola", diz.

Para recuperar o ritmo e espantar a preguiça de fazer as tarefas de casa, a dica para os pais é que mesmo durante as férias eles reservem um horário para praticar atividades pedagógicas simples com os filhos. Colorir ou fazer desenho são boas opções para crianças não alfabetizadas. Com as maiores, sugira escrever uma história juntos. Isso ajuda a readaptar para os momentos em que tiverem de fazer a lição de casa.

Fonte: http://www.vix.com/pt/bdm/bebe/3-a-6-anos/materia/como-reorganizar-a-rotina-para-a-volta-as-aulas

 

Leia mais ...

5 dicas para incentivar seus filhos a praticarem sustentabilidade

Que tal transformar sua casa em um lugar onde se aprende e pratica o cuidado do meio ambiente?

A educação ambiental tem sido uma preocupação constante nos últimos 20 anos. Com o avanço das notícias sobre catástrofes ambientais e sobre a degradação cada vez maior dos recursos naturais, torna-se urgente que a humanidade comece a preparar os cidadãos do futuro para proteger o meio ambiente.

Se você tem filhos e se preocupa em formar pessoas engajadas com a #Sustentabilidade, observe as cinco dicas que trouxemos para ajudar nesta missão:

Eduque pelo exemplo

Todos sabem que o exemplo é a melhor forma de transmitir mensagens às crianças. Durante a infância, o ser humano tem a necessidade de sentir-se aprovada pelos adultos.

Então, comece a ter #hábitos sustentáveis em casa, como separar o lixo, economizar água nos banhos e nos afazeres domésticos, reaproveitar embalagens e escolher produtos e materiais que degradem menos o #Meio ambiente. É uma ótima oportunidade para conversar sobre o assunto, pois a mudança de atitudes certamente incentivará a curiosidade dos pequenos.

Promova um maior contato com a natureza

Hoje em dia, muitas crianças vivem rodeadas de paisagem artificial. Confinadas em apartamentos, enxergam cimento e asfalto ao redor de suas casas. Leve-as para um contato com a natureza.

Faça passeios em parques, praias ou cachoeiras, realize piqueniques e, se possível, deixe que tenham contato com animais. Percebendo que os recursos naturais não surgem magicamente nas prateleiras dos supermercados, as crianças tendem a desenvolver uma maior consciência ecológica.

Promova eventos sustentáveis, como as festas de aniversário

Poucas coisas empolgam mais os pequenos do que planejar e realizar eventos.

As festas de aniversário são uma excelente oportunidade para exercitar os conceitos de sustentabilidade.

Construam itens de decoração com material reaproveitado (caixas de leite, rolos de papel etc.). Troque os copos descartáveis por outros de plástico mais resistente que possam ser lavados e utilizados novamente em outro evento.

Substitua os balões de borracha por enfeites de papel e materiais biodegradáveis ou que possam ser reaproveitados. Preste atenção aos alimentos: prefira os naturais que, além de mais saudáveis, geram menos lixo com embalagens. Será um evento divertido e muito proveitoso para o aprendizado da criançada.

Construa brinquedos com material reaproveitável

Muitos adultos de hoje têm lembranças de construir bonecas de pano, carrinhos de caixa de papelão e bolas de meia. Estas lembranças nos mostram que não é necessário consumir exageradamente para ser feliz.

Na internet há inúmeros tutoriais de brinquedos e brincadeiras que podem divertir a criançada e ajudar o meio ambiente ao mesmo tempo.

Aproveite a criatividade que os pequenos têm de sobra e solte sua imaginação. Você vai se surpreender quando perceber que sua criança está se divertindo mais com o ônibus de caixa de ovo do que com o videogame caríssimo que você ainda nem terminou de pagar.

Busque conhecimento

Para haver engajamento é necessário conhecimento. Pesquise em família sobre o tempo que cada material leva para se decompor, sobre o impacto do descarte incorreto do lixo na vida dos animais, mostre ambientes degradados e converse sobre as causas e consequências desta situação. É necessário ter consciência de cada atitude do cotidiano para que suas consequências sejam as melhores possíveis para o planeta.

Por mais que a luta pela proteção do meio ambiente, às vezes, pareça desgastante e inútil, não podemos desanimar. As crianças têm uma imensa capacidade de aprender e influenciar o comportamento umas das outras e até mesmo dos adultos.

Somente através de uma boa educação ambiental será possível vislumbrar um futuro melhor. Gostou das dicas? Comente aqui embaixo quais ações você e sua família já têm realizado em busca da sustentabilidade.

Fonte: http://br.blastingnews.com/educacao/2017/07/5-dicas-para-incentivar-seus-filhos-a-praticarem-sustentabilidade-001839515.html

Leia mais ...

4 formas de incentivar a leitura nas crianças

Quem já teve a oportunidade de perder-se entre as páginas de um livro sabe que a leitura é uma das melhores atividades para quem deseja momentos relaxantes, prazerosos e cheios de aprendizado. Um livro tem o poder de transportar a mente para dimensões únicas, além de ser uma excelente fonte de inspiração para a criatividade. Entre os diversos capítulos de uma obra, o leitor passa a enxergar a vida de uma maneira diferente e a estimular seu pensamento reflexivo.

Para as crianças, esses benefícios são ainda mais preciosos. Incentivar o hábito da leitura, desde cedo, é muito importante pois é, durante a infância, que os pequenos começam a se desenvolver física e cognitivamente. Além disso, essa é uma fase de descoberta em que as crianças aprendem a distinção entre aquilo que é correto e aquilo que não é, e também iniciam o processo de alfabetização e conhecimento de mundo. Pensando nisso, reunimos algumas dicas para ajudar a você a incentivar o hábito de leitura no seu pequeno. Confira!

1. Não obrigue a criança a ler

O primeiro passo é evitar qualquer tipo de obrigação relacionada à essa atividade. Os pequenos devem se sentir interessados pela leitura e enxergá-la como algo prazeroso. Por isso, a dica é que os próprios pais comecem a ler para os seus filhos, até mesmo para aqueles que já iniciaram o processo de alfabetização. Observando o entusiasmo dos pais, as crianças ficarão ainda mais interessadas pelo livro.

2. Encontre o tipo de leitura que o seu filho gosta

Levar em conta o gosto da criança é um ponto-chave para incentivar a leitura. Por isso, é fundamental conversar com o seu filho sobre suas preferências ou levá-lo para escolher algum livro na seção infantil da biblioteca ou livraria. Se a criança se interessa por pintura, por exemplo, um livro de colorir pode ser uma boa pedida.

3. Escolha o livro apropriado para a idade

Um fator fundamental para incentivar a leitura é fazer a escolha do livro de acordo com a idade da criança. Antes da alfabetização, os pequenos tendem a ter um contato visual e a querer sentir os livros com as próprias mãos. Nessa fase, edições de livros coloridos e feitos de plástico são ideais. Já com o início da alfabetização, é indicado que os pais adotem um método de leitura alternada, ou seja, deixar o filho ler uma parte da história e o pai a outra. Nesse momento, prefira livros que tenham um equilíbrio entre a escrita e as ilustrações.

Para não errar na escolha das obras, uma boa opção é assinar um clube do livro e, assim, receber títulos adequados para a idade do seu filho. A Leiturinha é um exemplo de clube de assinatura de livros infantis. O clube conta com uma equipe de curadoria, composta por profissionais especializados na área de pedagogia e psicologia, que seleciona os livros apropriados para a idade de cada criança.

4. Estimule o interesse para a criação de histórias

Mesmo após a alfabetização, é fundamental a participação dos pais para que os pequenos continuem envolvidos com a leitura. A última dica, então, é instigar a criação de histórias para que os pequenos criem suas próprias narrativas e, quem sabe, até seus próprios livros. Assim, a criança desenvolverá a capacidade cognitiva, criativa e ficará ainda mais interessada por livros.

Fonte: https://www.agorams.com.br/4-formas-de-incentivar-a-leitura-nas-criancas/

Leia mais ...
Assinar este feed RSS